Saibam mais sobre a CARDIO-ONCOLOGIA - vejam o que diz o Grupo de Estudos em Cardio-oncologia (GECO) da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC):


7

Saibam mais sobre a CARDIO-ONCOLOGIA - vejam o que diz o Grupo de Estudos em Cardio-oncologia (GECO) da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC):


GECO:

As complicações cardiovasculares são eventos freqüentes nos pacientes oncológicos. Estas são decorrentes de avanços terapêuticos que resultaram, tanto na melhora da qualidade de vida, como no aumento da sobrevida dos pacientes. Como conseqüência, observa-se, atualmente, que os pacientes são mais expostos a fatores de risco cardiovasculares, e ao risco adicional da cardiotoxicidade associada aos quimioterápicos.

É válido ressaltar que, certas complicações cardiovasculares do tratamento quimioterápico, podem determinar impacto significativo na sobrevida do paciente com câncer, resultando em aumento significativo de morbidade e mortalidade.

Dentre as diversas manifestações clínicas da cardiotoxicidade, a mais temida é a disfunção ventricular esquerda, levando a insuficiência cardíaca congestiva. Porém, o espectro de alterações que podem acometer o sistema cardiovascular inclui: insuficiência coronária aguda, hipertensão arterial, arritmias e eventos tromboembólicos.

Nos últimos anos, as consequências da cardiotoxicidade decorrente do tratamento oncológico ficaram mais evidentes, uma vez que houve um aumento da sobrevida do paciente oncológico, além do envelhecimento da população, e do surgimento de novos agentes quimioterápicos, com efeitos colaterais cardiotóxicos inesperados. Com a finalidade de cumprir essa demanda, criou-se a cardio-oncologia, criada da integração entre a cardiologia e a oncologia, desenvolvendo um conhecimento interdisciplinar entre as duas áreas médicas para melhor tratamento deste grupo de pacientes.

A interação entre a cardiologia e a oncologia contribui para a melhor evolução dos pacientes, tendo como objetivos principais a adoção de estratégias de prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento das doenças cardiovasculares nessa população.

COMENTÁRIOS:

Esta assistência ao paciente com câncer já é realizada na CARDIOVALE - Instituto de Cardiologia do Vale do Paraíba há alguns anos.
A "I Diretriz Brasileira de Cardio-Oncologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia" foi publicada em 2011, sob a coordenação do Prof. Dr. Roberto Kalil Filho, envolvendo o Grupo de Estudos em Insuficiência Cardíaca da Sociedade Brasileira de Cardiologia (GEIC/SBC), Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Instituto do Coração – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (InCor) e o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (ICESP).
A maior parte das recomendações contidas nesta Diretriz já vinham sendo realizadas na CARDIOVALE - Instituto de Cardiologia do Vale do Paraíba, sob minha coordenação, visto que nos 08 anos que antecederam a elaboração desta Diretriz eu estava bastante envolvido com a Unidade Clínica de Miocardiopatias e o Serviço de Ecocardiografia do InCor, onde este assunto era bastante prevalente, me interessei e comecei a estudar.


Criado por: Prof. Dr. Joao Manoel Theotonio dos Santos - 05.09.2016 16:05:18

Voltar